Início » Banco Central mantém Selic em 2% e diz que condições para manter “forward guidance” podem cair em breve

Banco Central mantém Selic em 2% e diz que condições para manter “forward guidance” podem cair em breve

BC mantém Selic em 2% e diz que condições para manter “forward guidance” podem cair em breve

Esta foi a terceira manutenção da taxa básica de juros após nove cortes seguidos

O Comitê de Política Monetária (Copom), em sua última reunião de 2020, decidiu no dia 09 de dezembro manter a Selic em 2% ao ano.

Em meio aos efeitos da pandemia do novo coronavírus, esta decisão seguiu o que a maior parte dos analistas já esperava. Esta foi a terceira manutenção da taxa básica de juros após nove cortes seguidos.

Desde a última reunião do comitê, a permanência da incerteza fiscal, combinada a uma leitura de inflação mais pressionada, tem preocupado o mercado, que poderia ver nesse cenário uma possibilidade de alta de juros. Apesar disso, a maioria dos analistas manteve a visão de que a Selic deve seguir em 2% por enquanto.

O relatório Focus mais recente indicou que a projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerre 2020 em 4,25%, acima do centro da meta perseguida pelo BC, de 4,0%.

No comunicado, o BC destacou mais uma vez as altas recentes da inflação, esperando que em dezembro os números ainda se mostrem elevados. “Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o Comitê mantém o diagnóstico de que os choques atuais são temporários, mas segue monitorando sua evolução com atenção, em particular as medidas de inflação subjacente”, diz o texto.

 

O Comitê afirmou ainda que sua decisão reflete o cenário básico e um balanço de riscos “de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui os anos-calendário de 2021 e 2022”.

A visão mais forte no mercado é de que os juros irão permanecer estáveis com a continuidade do chamado forward guidance (prescrição futura) pelo BC.

Nesta regra, a autoridade se compromete a não elevar juros enquanto as expectativas e projeções de inflação de seu cenário básico se mantiverem abaixo do centro da meta no horizonte relevante, desde que o regime fiscal seja mantido e as expectativas de longo prazo permaneçam ancoradas.

“Apesar da elevação desde a última reunião, em particular para o ano de 2021, as expectativas de inflação, assim como as projeções de inflação de seu cenário básico, permanecem abaixo da meta de inflação para o horizonte relevante de política monetária; o regime fiscal não foi alterado; e as expectativas de inflação de longo prazo permanecem ancoradas”, continua o BC.

Por outro lado, a autoridade monetária afirma ainda que “a manutenção desse cenário de convergência da inflação sugere que, em breve, as condições para a manutenção do forward guidance podem não mais ser satisfeitas, o que não implica mecanicamente uma elevação da taxa de juros pois a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo extraordinariamente elevado frente às incertezas quanto à evolução da atividade”.

 

Fonte: InfoMoney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *